Arte & Cultura.

TALENTO OU VOCAÇÃO: A verve artística nas crianças



Desde criança que os pais percebem nos seus filhos a inclinação que eles possuem para trabalhar com a arte. Alguns talentos inclusive, são tão notórios que se estendem fora do convívio familiar. Ou seja, na escola, nas reuniões e festinhas entre amigos e em todo e qualquer lugar onde os artistas mirins estejam presentes. Esses talentos entretanto, muitas vezes são enterrados e esquecidos ao longo da vida, dadas às circunstâncias que permeiam a própria insegurança dos que escolhem viver da arte. Os próprios pais quando notam que um dos filhos é um artista nato, inevitavelmente, como que de forma automática e até imperceptível, os colocam frente aos embates que a profissão exige. Ser artista de fato, não é pra qualquer um, porque o artista além do talento precisa da vocação.


Sim amigos, devemos sempre lembrar que talento é uma coisa e vocação é outra. A criança pode ter um talento estupendo para a arte mas em contrapartida, ser absolutamente desprovida da vocação para ser artista. O oposto também ocorre. Há crianças que perseguem com afinco o caminho da arte, mas por mais esforço que façam, jamais conseguirão o talento para exercer com louvor este ofício. O talento é percebido quando os pais constatam que a arte escolheu a criança mas a vocação se dissipa, quando a criança, mesmo com um extremo talento, não escolhe a arte. Muito lamentavelmente, estamos num país que não só não valoriza o artista, como também despreza o que a arte, por si só, pode fazer pelo ser humano e pelo engrandecimento dele. Aqui mesmo na Paraíba, temos um exemplo maciço, onde o último edital para um concurso público "estadual" foi publicado com apenas 20 vagas para a disciplina de artes.


Estímulos e/ou desestímulos à parte, costumo dizer que teríamos à mercê da nossa apreciação, muito mais artistas fabulosos e ímpares no Brasil se nosso solo cultural fosse fértil e adubado com cuidado, carinho e esmero pelos nossos governantes. E assim, vamos nos deparando com artistas fortes e aguerridos, porém desmotivados; intensos e viscerais, porém intimistas; competentes e contentes, porém ignorados. No caminho da verdadeira feitura artística, uma criança dotada da vocação para a arte sempre estará no palco fazendo um espetáculo para um público de dez pessoas com o mesmo entusiasmo que faz para um público com mil. 

A vocação não apenas deixa claro para os artistas os altos e baixos dessa profissão, mas também mesmo diante dessa gangorra, conseguem mantê-los com o brilho nos olhos mesmo quando derrapam. A vocação não deixa a tristeza se perpetuar no artista porque mesmo se ele experimentou o auge e caiu no ostracismo, haverá sempre o refúgio no berço do seu talento e da sua arte.


E aqui me despeço desejando a todas as crianças que curtam o seu dia com muita arte. E quero dizer também aos meus alunos que apreciam e fazem arte, que não desistam, porque a arte e o mundo precisa de vocês. E nunca se esqueçam:

Quando talento, vocação e oportunidade se juntam, a arte resplandece, corações e mentes são tocados e vidas se modificam. Daí vocês verão que mesmo diante de todos os dissabores, a escolha, indubitavelmente, não poderia ter sido mais perfeita. 

Izaqueu Nascimento

1 comentários:

Tecnologia do Blogger.