Arte & Cultura.

Os trabalhadores da Arte




Eles estão em toda parte. Fazendo e acontecendo, criando e recriando, inventando, reinventando e se reinventando. Eles estão nos cantos mais explícitos e ao mesmo tempo nos arredores mais ocultos que vocês possam imaginar.  De forma próxima ou longínqua, nos bastidores remotos da moção do cotidiano. Eles estão à frente e concomitantemente, por detrás das tuas emoções, instigando-as a te despertar para que os teus próprios sentimentos floresçam e venham à tona. Eles fazem arte. Eles trabalham com arte, por arte e pela arte. O verdadeiro artista é acima de tudo um eterno apaixonado pelo seu ofício, porque creio eu que a arte que mais encanta é aquela que é oriunda de um artista, que antes de tudo está ele mesmo encantado com o que faz. É como adentrar numa corrente de sensações muito mais indizíveis do que plausíveis. Plausíveis, porque de forma terna e intensa chega a ser capaz de tirar a órbita dos nossos próprios sentidos. E indizíveis, porque dada a dimensão da magia, fica impossível mensurar tamanha expressão por meio de palavras. O verdadeiro artista é um ser iluminado mesmo quando se apropria da arte para nos mostrar a escuridão de uma noite difusa.

E no dia do trabalho, eis a minha singela homenagem aos colegas de profissão, sem os quais a vida viraria moribunda.

No dia do trabalho, eis a minha extrema reverência ao povo que labuta, sendo ou não artista, afinal, o trabalho dignifica o homem e dá um sentido absolutamente peculiar ao ato de existir. Mas sendo eu um defensor aguerrido da flor no deserto, por favor! concedam-me licença para parabenizar em especial todos os que estão inseridos na feitura da arte. Desde o artista que está no centro do palco ao jovem que ajustou os parafusos para que as cortinas pudessem se abrir para o espetáculo. Meus aplausos de hoje, obviamente, vão para os trabalhadores de forma generalizada, que mesmo sentido-se dissecados com a subtração ilícita dos direitos trabalhistas (já tão arduamente adquiridos) continuam altivos na integridade de sua exaustiva labuta diária. Parafraseando Confúcio que disse: "Escolhes trabalhar com o  aquilo que ama e não terás que trabalhar um só dia em tua vida", finalizo as homenagens para todos e todas que vão trabalhar não só alimentados de arroz e feijão (ingredientes que enriquecem o bom funcionamento do corpo) mas acima de tudo de amor e dedicação (combustíveis fundamentais para que o trabalho flua de forma plena, singular e absolutamente encantante).


Izaqueu Nascimento 

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.