Arte & Cultura.

Onde está a arte?




Se o mundo parasse exatamente agora, com qual tipo de arte você estaria dialogando? É interessante que mesmo sem pretexto buscamos por arte. Na verdade nem precisa se justificar, porque para ser abduzido pela arte basta estar vivo, e como já dizia Oscar Wilde: O segredo da vida está na arte.

Como está a arte nas escolas? Como está a arte nas ruas, nos guetos, nos lares, no mundo...? Em que pé anda a arte nas conversas sobre sociedade, comportamento e cultura? Eis-me aqui mais uma vez levantando a bandeira do papel essencial que tem o homem de louvar todo e qualquer conteúdo artístico.



Onde está a arte? Como buscá-la? E se eu permanecer aqui, quietinho, absolutamente introspectivo e por um bom tempo a sós comigo mesmo? Sim. Sem mais ninguém e mais nada? Será que a arte inevitavelmente viria ao meu encontro? Será que a arte inevitavelmente me tiraria da minha zona de conforto? Segundo Goethe, não há meio mais seguro para fugir do mundo ou de se unir a ele que não seja através da arte.

Quantos gritos ainda terão que ser ouvidos para que a arte adentre os recintos mais remotos deste país como se fosse um item fundamental da cesta básica? Estou dizendo como se fosse mas creio que o é. É preciso que essa preocupação esteja atrelada à mesma seara de reivindicações que clama por uma melhor qualidade de vida para todos nós. Parafraseando Lennon na canção "Imagine" eu até desconfio que vocês possam me achar um sonhador, mas acreditem: Eu não sou o único!

E não sou mesmo. Existe uma infinidade de agitadores culturais por esse mundo afora. Gente que sabe que arte é vida. Gente que compactua com Leonardo da Vinci quando disse que "só a arte diz o indizível, exprime o inexprimível e traduz o intraduzível". Muitos são autônomos que não esperam incentivo do poder público para promover festivais de arte, saraus, rodas de samba, encontros musicais, mostras de filmes, dança, artesanato, pintura e tudo  que possa tirar as pessoas do tédio do cotidiano, dando a essas pessoas alimento para a alma. Instigando arte como ferramenta inclusiva e necessária para combater o stress. Fomentando cultura como um álibi para lutar contra a injustiça e a desigualdade social. Esse povo aguerrido que entende a essência humana e já constatou que não é só casa e comida que garante cidadania. Toda cidade com mais de 100 mil habitantes deveria ter um teatro ou um centro de cultura que pudesse abarcar principalmente as criações artísticas locais. É preciso que a gestão pública entenda que isto se faz tão imprescindível como a construção de uma escola ou de um hospital. Infelizmente, essa é uma realidade inexistente na maioria das cidades brasileiras. E é por isso que eu gostaria de concluir esse texto tirando o meu chapéu para todos e todas que não só ficam tristes com o fim de qualquer verba pública que assegure a promoção das artes, mas que atrai as pessoas para a sensibilidade e para a fruição. Meus aplausos para os produtores culturais que fazem com que esta causa resista e persista e que muito antes de ouvirem a canção dos titãs já sabiam que "a gente não quer só comida, a gente quer e precisa de comida, diversão e arte". E já que invoquei citações célebres de autores idem, concluo esse texto com uma das minhas favoritas sobre a arte, da grande Simone de Beavouir que diz que "é exatamente na arte que o homem se ultrapassa definitivamente". Afinal, a arte está em mim, a arte está em você, a arte está na sensibilidade que equipara, distingue e assemelha o sentimento que pulsa em cada um de nós. 

Izaqueu Nascimento                        

4 comentários:

  1. O mundo seria melhor se as pessoas enxergassem a arte da vida bem como suas peculiaridade e sensibilidades.

    ResponderExcluir
  2. Feliz são àqueles que respiram arte e cultura. Belo texto.

    ResponderExcluir
  3. Izaqueu, Parabéns pelo belíssimo texto...

    ResponderExcluir
  4. O que seria do homem sem a arte?...

    Parabéns pela reflexão!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.